Já há estatísticas sobre o aborto..

Para quem me conhece sabe que sou a favor da Interrupção Voluntária da Gravides ( IVG ) ou o vulgo aborto…

Acho que os casais é que devem decidir se esta é realmente a altura certa para ter um filho…

Não concordo de maneira nenhuma com o uso do aborto como pílula, a legalização do aborto não foi criada para isto… toda a gente sabe que acidentes acontecem… diafragmas que saem do sítio ( foi assim que eu apareci ), preservativos que se rompem, pílulas que se esquecem de ser engolidas etc etc..

A legalização do aborto foi uma coisa boa! Tantas mulheres que ficaram com problemas graves por causa dos abortos clandestinos, médicos e parteiras que ficaram ricos à conta disto. E além disso, mulheres que foram presas, porque fizeram um aborto! Onde é que isto cabe na cabeça de alguém…

E mais, crianças que são submetidas a maus tratos físicos e psicológicos porque não eram desejadas, e porque não havia outra opção a não ser ter a criança, agora estas crianças já não nascem ao mundo para sofrer! Ficam como diriam os católicos, logo no céu… ( bullshit )…

Mas o que me chateia nisto tudo, é que os católicos como paus mandados que são ( não digo todos para não ferir susceptibilidades ) que não são capazes de ver as razões porque alguém aborta… e estão sempre a mandar vir com isto por tudo e por nada..

Pensam, que são decisões tomadas de ânimo leve, o que eu não acredito de maneira nenhuma… de certeza absoluta que as mulheres ( principalmente elas ) passam por um período difícil quando tomam esta decisão..

Eu digo sim à IVG, como disse sim quando houve o referendo, e espero isto nunca se altere…

Além disso, não é o estado que deve decidir se esta opção é legal ou não! É o casal…

Para finalizar ficam aqui com o link para o público com a notícia

Uma coisa interessante de se notar e citando:

“No Amadora-Sintra, o acréscimo de mulheres que aparecem na consulta de Ginecologia com pedidos para abortar tem sido significativo. Nos primeiros seis meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, houve mais 212 IVG. Os maiores acréscimos verificaram-se em Pêro Pinheiro, Reboleira, Venda Nova e Rio de Mouro.

“É expectável que o número de IVG continue a aumentar por várias razões”, explica Maria José Alves, da Maternidade de Alfredo da Costa, que defende que os dados oficiais não podem ser olhados “a seco”. “É preciso ver como e onde isto está acontecer”, frisa, notando que os registos dos serviços melhoraram e que é natural que mulheres que antes abortavam clandestinamente se dirijam cada vez mais aos hospitais para o fazer porque sabem que serão bem atendidas.”

Como é lógico, os casais agora têm um sítio, onde podem fazer o aborto de maneira segura, portanto é normal que os números aumentem em relação aos do passado, claro que estes valores irão estabilizar com o passar do tempo…

Não sei se concordo com os médicos poderem usufruir do direito de serem objectores de consciência, por um lado faz todo o sentido, mas por outro, há coisas que uma pessoa gosta de fazer no trabalho, e outras que não gosta.. ainda não tomei uma decisão sobre isso… mas sou sem dúvida nenhuma mais a favor de não poderem invocar esse direito perante o aborto..

Digo-vos mais, nada me faria mais feliz do que ser pai ( ok..se calhar se ganhasse o euro-milhões também ficava bem contente )… mas na situação em que me encontro tanto psicologicamente como financeiramente a minha opção teria que ser o aborto, porque simplesmente não tenho condições para ser pai, nem me sinto preparado para tal coisa…

Deixando como nota final, para os católicos obtusos ( e não só ) que por acaso venham aqui ler isto, acordem para a vida, a vida não é a preto e branco e respeitem as opções das outras pessoas… como elas vos respeitam a vocês e vos dão a opção de terem fé…

Um bem haja a todos…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>