Situações ridículas..

No outro dia estava no Facebook, e vejo o post de uma amiga minha com o seguinte:

A TODOS: não tenho noticias do xxxxxxx xxxxx desde ontem à noite!!!!POR FAVOR se alguém falou com ele ou tem conhecimento de algum sitio ou amigo onde ele possa estar…LIGUE-ME!! 96 xx xx xxx…não respondam pelo FB!!! Ele tem uma carrinha AUDI A4 de 1998, matricula xx-xx-xx!!

Fiquei um pouco preocupado… a moça não se tinha casado à um mês, e já o marido anda desaparecido.. e do que me lembro ela até não era nada má moça.. portanto estranhei…

Ela pôs isto eram 17:41 da tarde.. passado umas horas lá vem outro post este às 21:17:

A TODOS:Estou a caminho de Leiria pa tentar encontrar o xxxxxx!!Ainda nao temos noticias mas vou rezar para que td corra pelo melhor..peco vos que me liguem apenas se tiverem alguma novidade..espero q compreendam!!vou actualizando..AMO TE xxxxxxx!!

E eu: “Xiça que o tipo passou-se mesmo da martita… onde é que será que o gajo anda??”

Entretanto o carro da moça avaria… então continuou a viagem de Táxi.. fantástico não é..

Até que às 21:34 o gajo lá apareceu..

No dia a seguir, lá vem ele postar a dizer o que aconteceu:

peço desculpa a toda a gente que esteve a minha procura! foi uma situação triste e que me deixou muito envergonhado e acreditei sinto-me o homem mais pequeno do mundo. decidi ir comemorar o facto de me ter casado com uns amigos e n tou habi…tuado a beber e pensei bem e para comemorar algo em grande na minha vida por isso bebi uns copos e adormeci e so acordei no outro dia e tava sem bateria no telemovel! as minhas sinceras desculpas a toda a gente! e um muito obrigado a todos por toda a ajuda a Xxxx Xxxxx! muito obrigado mesmo! Amor amo-te muito e não te queria magoar!

Vou começar já a partir isto tudo..

Primeiro, já sabemos quem é que usa as calças lá em casa… o gajo nem pode ir sair com os amigos e apanhar uma daquelas à antiga ( no caso dele é daquelas novas ) que vem logo todo mansinho com o rabo entre as pernas, a pedir desculpa por tudo e mais alguma coisa.. jasus..

Segundo, o gajo nem avisa a mulher que vai para os copos com os amigos? Epá… algo de mal está aqui… Cá para mim foram a um bar de meninas da vida.. e o gajo andou para lá perdido com tanta gaja boa.. que até desligou o telele para não ser apanhado em flagrante com a cueca da gaja na boca.. ( mas isto sou eu a ser má língua e a por veneno )

É que bastava o gajo ter ligado à mulher e dizer, vou celebrar o nosso casamento com uns amigos.. e pronto problema resolvido.. já podia passar a noite toda nos copos, nas casas de meninas que não havia problema nenhum…

Enfim… parti o coco a rir quando ele veio pedir desculpa a todos via Facebook… estou a imaginar quando ela chegou ao pé dele, o gajo todo ressacado com as cuecas da stripper no bolso do casaco, cheio de bâton… e daí até pode ser que tenha tido tempo de tomar um duche antes de a mulher aparecer..

Enfim uma parvalheira desgraçada..

Um bem haja a todos…

Another World…

São perto das 2 da manhã, as luzes apagam-se, “é agora” penso eu.. olho para a cerveja que tenho na mão..faltam apenas uns decilitros para fazer um total de 6L bebidos durante o dia de hoje… olho para o palco de novo à procura de movimentação e visto que nada se passa, bebo de um golo os decilitros que faltam..

Poucos segundos depois, duas sombras aparecem no palco..todo o meu corpo se arrepia… bato palmas e grito o máximo que os meus pulmões permitem..

Todos os átomos, electrões, até a mais minúscula partícula alinham-se numa só direcção..

Começam assim:

O som entranha-se no meu corpo, espalha-se como se um cancro se tratasse.. todos os as minhas moléculas dançam ao ritmo avassalador deste som… sou transportado para outro mundo.. não o mundo do Tio, onde as coisas mais estranhas se passam, mas para um mundo onde a música não pára, e tudo é luz…

Todo o álcool desaparece do corpo, é substituído pelo som contagiante, atingo um estado de lucidez nunca antes sentido, tudo é claro, tudo é transparente, nada é impossível…

Oiço, “Don’t think, Just let it flow..”, o meu corpo relaxa totalmente, sofro de amnésia, quem sou eu? Onde estou? Quem é esta gente toda? O que é real, o que é irreal? A música flui como uma corrente eléctrica pelo meu corpo, atravessa-me parando e arrancando o coração múltiplas vezes..

O som é real… apenas o som.. as imagens colam-se ao fundo da minha retina, o coração explode-me dentro do peito… um misto de sensações percorre-me o corpo..

Estou de sorriso estampado no rosto, olho em volta, uma moça ao meu lado sorri de volta para mim, sem dramas, sem segundas intenções.. apenas sentimos o mesmo.. a paixão da música a toldar-nos a alma, a alimentar-nos, a fazer-nos viver… a fazer-nos acreditar..

Acreditamos apenas nisto.. no som que não nos cansa, estamos em harmonia com o mundo, com a vida, connosco mesmos, entre nós.. nada interessa a não ser a batida ritmada que nos torna insaciáveis, sempre à procura de mais.. acreditamos apenas no som…

Só queremos dançar, sentirmos-nos envolvidos nesta música que nos deixa possessos, que nos faz sorrir de pura alegria…

“Well, that was some experience
Now just let me adjust the spacial controls
And we’ll move to another observation point…”

Esta foi nada menos, nada mais que a minha fantástica experiência no concerto de The Chemical Brothers no Optimus Alive, dia 8 de Julho de 2011.. uma noite que nunca esquecerei…

Um bem haja a todos…

Pensamentos..

São 4 da manhã,
estou esgotado,
cansado e bebido..

Não paro,
de pensar em ti…
Nos teus olhos castanhos,
e na falta que fazemos um ao outro..

Desejo-te mais que a própria vida,
hoje vi muitas,
umas giras outras menos giras,
mas é a ti que eu quero,
com todos os teus defeitos,
com todos os teus perfeitos..

És imperfeita,
mas é isso que atrai,
como se fosses um buraco negro,
quero cruzar esse horizonte..

Tomar-te nos braços,
tornar-te minha..

Corro num ciclo infinito,
atrás de ti,
não vejo o fim da estrada,
inspiras-me,
acordas-me,
revelas-me…

Não te consigo resistir,
já faz muito tempo,
que os pensamentos,
se remoem na minha mente..

Pensas em mim?
Como eu penso em ti?

Quero apenas umas horas,
a sós contigo..
Os dois perdidos no tempo,
noutra realidade,
noutra altura..

Um bem haja a todos…

O momento..

Era naquele momento,
enquanto víamos as colinas,
da nossa cidade,
o sol deitava-se
por trás de uma delas.

Era o momento,
perdido,
para sempre,
mas era aquele,
não era?

Os teus lábios,
os meus,
os nossos corpos,
juntos finalmente..

O tua gargalhada,
contagia-me a alma,
enche-me os tímpanos,
de prazer,
aquece-me até,
no mais frio
dos Invernos.

Quero sentir,
as tuas mãos frias,
aquecê-las e senti-las,
à minha volta,
beijá-las,
e acariciá-las.

Quero sentir o teu cheiro,
ao acordar,
e ao deitar,
em qualquer altura.

Quero surpreender-te,
acariciar-te,
e amar-te,
como mereces.

Para quando,
um novo momento?

Um bem haja a todos..

Caminhante…

Caminho quase sozinho pelas ruas de Lisboa,
abstenho-me de qualquer juízo,
de qualquer comentário,
de qualquer pensamento
o máximo de tempo possível.

Sou incapaz,
a cabeça não pára
um segundo,
à velocidade da luz
todo o tipo de pensamentos
atravessam-me,
enchem-me de amor, raiva, paixão e revolta.

A minha fiel companheira,
acompanha-me,
oiço tudo o que ela
tem para me dizer,
oiço todos os sons,
todos as vozes,
os baixos, os altos,
tudo..

O tempo passa velozmente,
e a minha mente,
pensa violentamente.

Respiro fundo,
procuro o isqueiro
no bolso do casaco,
acendo o cigarro,
e continuo o caminho.

Vou continuar a andar,
sem parar,
sem destino
e sem hesitar.

Não vou parar,
vou andar e andar,
até ao fim do mundo chegar.

Aqui estou,
frente ao mar,
acabado e cansado,
a maresia
enche-me o pulmão fatigado.

O coração acelerado,
pensa em ti,
apesar de esgotado,
não pára de pensar em ti.

O sol deita-se,
no horizonte,
a génese,
és tu,
a minha fonte,
és tu.

Volto para trás,
por hoje chega,
vou parar de caminhar…

Um bem haja a todos..

Não sei se te bata se te beije..

Incrível como só tu me consegues irritar,
ao ponto de querer gritar a altos pulmões:
“Estou farto!!!”

Deixas-me desnorteado,
cansado e esgotado,
que nem sei o que digo,
apenas balbucio pensamentos mal formados.

Passado umas horas,
lanças o teu sorriso,
aquele que tu sabes,
e só me apetece é agarrar-te,
e beijar-te.

Voltas ao ataque outra vez,
respondes torto,
o coração bate forte,
as veias dilatam-se,
e o pulso sobe,
não sei se te bata,
se te beije,
balbucio pensamentos mal formados,
enquanto o coração bate forte no peito.

Noutro dia,
o sorriso outra vez,
agora respondo-te eu torto,
fico à espera de uma reacção,
mas por fora ficas impávida
e serena,
calculo que por dentro,
o sangue também te ferva,
ou não.

Ficamos assim,
a brincar ao gato e ao rato,
eu um dia o gato, e tu o rato,
e noutro dia tu o gato e eu o rato.

Um bem haja a todos..

A véspera..

Enquanto sou embalado pelo movimento suave,
o sol rasga pela janela,
ilumina até aquilo que não queres.

Vejo-te pela primeira vez,
neste sol,
a tua pele brilha,
vejo tudo aquilo que te faz (im)perfeita.

As imperfeições, as perfeições,
os teus sinais, as tuas rugas,
os teus lábios semi-pintados.

Analiso todos os pormenores,
todos, não me escapa nenhum,
reanaliso todos os pormenores,
fecho os olhos e tento lembrar-me.

Conto todos os detalhes,
um, dois, três..
Volto a contá-los,
um, dois, três..

Agora não preciso, estás aqui.
Quando estiver sozinho,
vou fechar os olhos,
e vou imaginar-te,
exactamente na mesma posição,
com o mesmo olhar,
com os mesmo trejeitos.

Tento não perder nada,
é difícil, o ruído à volta,
torna-se ensurdecedor,
mas resisto.

Através dos discos de vidro,
uma pequena ilha preta,
nada num mar castanho,
o canto está lacrimejado,
não me questiono, percebo.

Não sei se é do sol,
se é de tudo o resto,
mas percebo.

O olhar prolonga-se,
percebes que estás a ser observada,
incomoda-te tanto,
que passas a mão pelo cabelo,
numa tentativa de afugentar o olhar,
baixas a cara, tentando ignorar,
eu não consigo parar.

És frágil, mas não o mostras,
sempre o lado duro
e não te abres.

Tento pensar em algo inteligente para dizer,
não consigo, estou ofuscado,
pelo quê não sei!

Talvez pelo sonho,
talvez pela realidade.
Quero sentir os teus dedos esguios nos meus,
ensaio umas quantas vezes,
mas não consigo, algo me retrai.

Oiço no fundo da minha cabeça:
“You should feel what I feel
You should take what I tell you”.

Os teus lábios,
tão tenros, tão rosa,
como é que serão junto dos meus?

Raras as vezes que sou coerente,
eu nunca digo exactamente o que quero dizer,
e nunca o que eu quero dizer é exactamente aquilo que eu digo.

A música comanda-me a vida..

Deveria ser o sonho comanda a vida..

Mas na realidade em mim, também a música manda.

A música, acorda-me todos os dias, uns dias melhor, outros dias pior.

A música prepara-me para o dia quando vou para o trabalho. Liberta-me quando venho deste. Marca o ritmo enquanto trabalho.

A música faz-me sonhar ( sim faz-me sonhar com aulas de Aeróbica ), faz-me rir à gargalhada, faz-me chorar, faz-me capaz de enfrentar um exército.

Faz-me sentir envergonhado, faz-me sentir bem comigo próprio.

Enfim… a música comanda-me a vida..

 

A experiência…

Acendo o 1º cigarro,Further
ao sair do Rossio,
escalo a Liberdade, milhões de pensamentos atravessam-me,
penso no ontem, no hoje e no amanhã.
O iPod grita-me ao ouvido:

“Into the wild
On with the mission
Over the hill
Come here with me.”

Um arrepio atravessa-me,
e acorda-me momentaneamente,
volto aos meus pensamentos,
completamente alienado do mundo,
penso no ontem, no hoje e no amanhã.

Chegam os Corações de Atum com a Felícia, A Mulher Polícia
mas o meu ouvido diz que não,
passo à próxima, e o corpo treme com antecipação do que aí vem.
Oiço uma voz feminina que diz:

“Your love keep’s lifting me… lifting me higher, lifting me higher..”

repetindo-se quase que para sempre, respiro fundo,
o passo sincroniza-se automaticamente com o som.

Desligo o “random“, e passado exactamente 6 minutos e 7 segundos,
chega o “crescendo” que eu estava à espera,
“Escape Velocity” é como ela se chama,
os pensamentos escapam-se-me da mente.

Um sorriso finalmente esboça-se,
o passo estende-se e vigora-se,
chega o “diminuendo“,
e diz ele:

“Well, that was some experience
Now just let me adjust the spacial controls
And we’ll move to another observation point”

Cheguei ao Nº 25,
fumo o 2º cigarro,
e penso no ontem, no hoje e no amanhã..

Acordo, subo e enquanto não chego à minha secretária vou dizendo:

“Bom dia pessoal.”

Ligo o computador, abro a janela,
encho a garrafa de água, sento-me e respiro fundo…

E penso para mim mesmo, enquanto sorrio pela janela:

“My spacial controls are adjusted..”

Sono-estupidificado

São 7:35 e o despertador toca que Despertadornem desalmado.. Não é bem tocar, é pôr-se a dar a M80 ( foi uma das que consegui sintonizar, e nunca mais me dei ao trabalho de mudar ) o mais alto possível….. curioso é que existem pessoas neste Portugal fora que dizem que a M80 lhes dá vontade de apanharem na anilha ( estou a citar )..  eu quando oiço a M80 ( que é só de manhã ) fico é com vontade de dar na anilha a alguém.. e não o contrário..

O problema foi que naquele dia estava sono-estupidificado… Sim sono-estupidificado, termo inventado pelo Tio em março de 2011 no comboio no sentido Sintra -> Lisboa..

Passo a explicar a origem deste termo, é que quando acordei com a bela da M80, em vez de carregar no botão de desligar do despertador, carreguei em todo o lado menos onde devia, é que estava tão estupidificado com o sono, que já não me lembrava onde é que era suposto carregar.. e atenção que o meu despertador têm 2 botões ( são 2 despertadores num só ) em posições estrategicamente colocados, para desligar o despertador basta um gajo empurrá-los para baixo e problema resolvido…

O problema é que naquele dia, por mais que tentasse era incapaz de tal proeza.. cheguei a desistir e voltar-me para o outro lado, para 5 minutos mais tarde lá descobrir como é que raio é que se desliga o despertador..

Um bem haja a todos..